21 janeiro, 2007

│em grande sido│





sobre cada papel o vapor do chá,
o ruído natural que o descanso aquece na página.
o incenso tece, como qualquer flor, um berço nas árvores em sete mares
um verso além das montanhas que roda nos eixos da imaginação.

cada silêncio convida um mar
uma aba branca branca como a vaga enumeração de uma chama.

20 janeiro, 2007

│vez de onda│


«eu vinha para a vida, e deram-me dias»
vivos com os seus lugares e espaço.
ontem nasci sem fim, e alimentei-me
nesta mesa que em duas se reparte.
uma aba no mar, vagante à toa,
trouxe os sabores de ondas, de orlas.
outra aba na terra mostrou-me as pedras
polidas, úberes, gastas. pedras
densas que me encheram o ventre
e me criaram similar à terra.
no mar tive cristais quebrados, jóias;
na terra, tão nítida poeira branca
que fundi as formas das flores visíveis.

e hoje é este olhar profundo,
deriva das imagens pelo mundo."

fiama hasse pais brandão dorme em leito de fogo.

17 janeiro, 2007

│_ _ _ _ _│



sobre desenho de josé carlos fernandes

15 janeiro, 2007

│we have a map of the piano│





às vezes lemos a nossa dor e tudo muda, um verso uma frase ressoam em nós como um segredo que se mostra, conseguimos, alguns conseguem, essa sobrevivência frase a frase, verso a verso, porque lhes fala tão próximo, porque parou para lhes falar, então deve ser essa, a que permite esperar, aquela onde descansarão.

rui nunes

10 janeiro, 2007

│closing│



one shield to sleep.
boa noite.