25 julho, 2006

│silhouette│



quem me dera conseguir não pensar em nada,
deambular pela vida sem desejar,
sem projectar fosse o que fosse,
nem querer possuir mais
que a humilde condição de continuar vivo.

talvez sentar-me junto ao mar
e olhar as águas incendiadas,
milhares de aves sobrevoando o cais.
o frio entra pela janela, acorda-me.

não sei o que hei-de fazer com estas visões.

al berto

2 comentários:

Anonymous disse...

= )

Helena disse...

Al Berto dispensa comentários. Creio que já numa outra altura percebemos que ambos devemos ter lido tudo dele. Mas a ideia de acrescentar música ao blogue é muitíssimo boa. Parabéns pelas escolhas.