11 julho, 2007

│the end│


perdeste o nome como eu há muito perdera a infância.
trying to stay awake
noite turva pelo tamanho do medo
and remember my name
tentando lucidez para segurar o volante.
é assim que um dia dizemos adeus, de muito longe, a alguém que nós fomos.

10 julho, 2007

| óbito íntimo |



"ninguém tem tanto luto como tu.
faz as cerimónias que quiseres."

nuno bragança

08 julho, 2007

│último habitante│

07 julho, 2007

│lentíssimo│



à melancolia adicionas um pequeno trago de vento adolescente, ensinas à beira-mar ofícios de afogado em marítima intransigência,
até que um anjo frio vem fechar-te as pálpebras, docemente, com seus dedos de sal marinho.