12 setembro, 2006

│azul possivelmente o mar│ # 2

todos os fechamentos são aberturas.
todos os finais são inícios.




ouvir significa suspender o próprio desejo e julgamento, e existir para a outra pessoa.



doce cegueira de ver dias sem paisagem só porque a languidez os obscureceu.
não olhar para trás.
e como olhar em frente, onde o corpo, aberta flor de cemitério, desperdiça o seu odor?


o princípio ou o fim. quem ouve não vê isso, mas antes um imenso espaço entre.
sei que dentro deste esvair existe grandeza, espera o pé ante pé dos dias.

eu aqui fico. há sempre um último toque redentor.

2 comentários:

Anonymous disse...

:)
like sugar...

imo disse...

apagar as estrelas, vestir jasmim, e diluir azul possivelmente o mar.
o coração que acompanha o ouvido..
:)