23 dezembro, 2006

│pausa para construir a casa│


eight cognition all you've left, by six organs of admittance.

de mansinho,
uma árvore migratória vem vertebrar-me os dias.

uma folha balança, vai pela rota do vento sereno,
sem ter medo.
sigo-a com os olhos, vejo-a desprender-se para cair no lago,
sua essência aquática.
baixo-me, estendo os ramos
e fico com ela na mão.
devagarinho, fecho os olhos para o som crescer.

10 comentários:

(in)tacto disse...

:caminhar
:tocar
:sem ter medo
de mansinho
ouvir o lento respirar das folhas
que se desprendem das árvores.
:sem ter medo
:sentir
de mansinho

imo disse...

gota a gota
a palavra abre na pedra a luz,
suporta o sorriso.
uma paisagem que te cintila.

rosa disse...

"E agora aqui estou a ouvir
A melodia sem contorno
Deste acaso de existir
-onde só procuro a Beleza
para me iludir
dum destino."

José Gomes Ferreira

Luis disse...

e também de mansinho

te leio sempre de olhos fechados

imo disse...

ou o destino para iludir a Beleza.
trémula certeza
em certas melodias.

imo disse...

o som que cresce atrás dos olhos.
:)

Luis disse...

já não engasgada

Luis disse...

aqui sente-se o som
dos dedos, do papel

ouço de olhos esbugalhados
criança outra vez


;-)

imo disse...

... :)

rosa disse...

sinestesia dos sentidos.
aqui.
gosto.