21 janeiro, 2007

│em grande sido│





sobre cada papel o vapor do chá,
o ruído natural que o descanso aquece na página.
o incenso tece, como qualquer flor, um berço nas árvores em sete mares
um verso além das montanhas que roda nos eixos da imaginação.

cada silêncio convida um mar
uma aba branca branca como a vaga enumeração de uma chama.

14 comentários:

aitb disse...

brigada pela visita ao férias.. :)

lovely blog! ;)

gostei de conhecer.

:)

imo disse...

merci, aitb :)

rosa disse...

óoo que pena ser tão longe...
mas como cidade eleita do meu xi-coraçao (o porto), tenho quase a certeza q brevemente iremos visitar esse espaço... apetitoso.

hey! fascinante esta musica...

imo disse...

imperdível :)

Rui Alberto disse...

gostei do teu espaço e da tua existência de papel. amigos meus editaram também pela corpos, irei procurar o teu livro junto dos deles.
continuação de bom trabalho, beijos.

Rui Alberto disse...

já aqui tinha deixado um comentário, mas creio que não ficou. era a felicitar-te pelo trabalho, prometendo que irei estar atento e procurar o teu testemunho em papel numa livraria.

rosa disse...

nock nock...

Anonymous disse...

http://vinte--anos.blospot.com

imo disse...

bem-vindo, rui alberto :)
obrigada pela tua passagem
e pela tua voz.

imo disse...

rosa dos ventos :)
este espaço descansa uns dias.

rosa disse...

ufa!
alivio.
bom descanso.
um beijo.

p.s. vou ter saudades.

imo disse...

:)
obrigada.
um beijo para ti também.

Anonymous disse...

A arte em partes á parte...

imo disse...

dias à parte, com a melhor parte.
dias cheirando a flor do mundo,
também uma melhor parte.

para respirar arte.